Como a organização pode ser sua grande aliada nessa jornada de home office durante o isolamento social

Com o avanço da tecnologia e tudo mais que vínhamos vivendo, muitas empresas já vinham adotando a prática do home office (ou trabalho remoto) e as start ups já estavam nascendo com esse modelo a algum tempo.
Mas essa modalidade era direcionada para profissionais que tinham esse perfil e os mesmos eram preparados/treinados para isso.

E de repente, por conta dessa pandemia, um grande número de profissionais se viram tendo que fazer home office de um dia para o outro.
Para alguns já era um sonho/desejo mas não era realidade para a empresa, e muitos outros nem cogitavam essa possibilidade. Para ambos tem sido um grande desafio esse momento.
Ainda mais para aqueles que estão precisando gerenciar os afazeres de casa, os cuidados com os filhos e manter o ritmo de trabalho.

E logo pra começar eu quero te dizer que não é nada fácil mesmo, para quem nunca atuou assim ter que começar em um momento como esse, com essas peculiaridades. Não é só pra você que está sendo cansativo, estressante e desafiador não, toca aqui que tem muitos nesse mesmo barco. Até para os que já desejavam trabalhar assim tem sido uma fase de muita adaptação.

Mas esse post não é para lamentar, mas se quiser fazer isso nos comentários, fique a vontade, estou aqui para acolher. Eu hoje vim pra te dizer que é possível sim passar por esse período de forma mais saudável e a organização pode ser sua maior aliada nessa jornada.

É fator comum que se não tiver um mínimo de organização e disciplina fica quase inviável trabalhar de casa com produtividade, em condições normais, imagina nessa excepcionalidade.

Mas vale ressaltar que não existe mundo perfeito quando se fala de home office, é uma construção muito pessoal, do que funciona e do que não funciona para cada um. Ainda mais nesse momento em que estamos vivendo, onde estamos tão inseguros com o futuro, com receio de adoecer ou de perder quem amamos, sem saber até quando vai perdurar, nesse clima de tensão e medo constante e muitos lidando ainda com crianças exigindo atenção e todos os afazeres de casa, sem poder contar com as ajudas tradicionais como avós e secretárias.

Tenha clareza de que não é um home office normal ou qualquer, é uma situação excepcional, com muitas características diferentes, e tudo isso interfere diretamente em nosso emocional e, por consequência, na nossa concentração e produtividade.

Então esse é o nosso ponto de partida.

Você não se tornará um mega blaster do home office nesse período de isolamento e está tudo bem, não se exija demais.

Entendido isso, ter ou não uma organização pessoal é que vai ser o diferencial para você nesse momento. E como quero que você se saia o melhor possível vim te trazer alguns formas de usar a organização como sua aliada.

Rotina – Ter uma rotina é primordial nesse momento. Já que o exterior está nos trazendo tanta incerteza, ter uma rotina em casa vai ajudar a sua mente a ter um pouco mais de calma. Não precisa, nem deve, ser algo rígido e engessado, mas sim uma estrutura mínima do seu dia-a-dia. Com uma sequencia mínima a ser repetida diariamente. Se você tem crianças isso é essencial.

Energia – Cultive hábitos, rituais, ou recursos que te ajudem a alimentar a sua energia. Com tantas notícias ruins e demandas de todos os lados, vai ser fundamental para você dar conta do seu dia ter formas de alimentar e aumentar a sua energia.

Local e horário para trabalhar – Separe um local na casa para ser o seu local de trabalho e esteja nele a maior parte do tempo possível, quando estiver trabalhando. Mesmo que seja um lugar provisório que você monte e desmonte diariamente, ser sempre no mesmo lugar vai ajudar na sua concentração e ao seu cérebro a entender que é o momento de focar no trabalho.

Plano de refeições – Tenha um planejamento das suas refeições – inclusive dos dias e horários que vai parar para cozinhar – para não ficar refém de delivery e besteiras por não ter dado tempo de preparar. Faça alguns pratos a mais que podem ser congelados pra quebrar um galho quando o dia estiver corrido.

Agenda – Continue usando sua agenda diariamente assim suas atividades de trabalho se manterão sob controle. Agende suas tarefas de casa também, assim terá uma visão do seu dia como um todo.

Planejamento – Revise seu planejamento e avalie quais projetos podem continuar sendo tocados e quais valerá mais a pena rever e atualizar o planejamento. Crie também um planejamento para esse período, liste coisas que gostaria de fazer caso esse período de isolamento se prolongue. Sempre lembrando que planejamento não é lista de desejos, seja realista de acordo com a sua rotina. Não coloque energia onde não for o momento.

São tempos desafiadores, aceite isso.

Acolha seus sentimentos e use as ferramentas de organização que fizerem sentido pra você e que possam te ajudar a manter a vida fluindo: quadro de geladeira, listas no celular, caderno de tarefas, agenda física ou digital, divisão de tarefas com os demais moradores da casa, pausas estratégicas, etc.

E primordialmente dedique tempo para o seu autocuidado, mesmo que sejam poucos minutos e cuide da sua saúde mental da melhor forma que puder.

Eu acredito que tudo isso vai passar logo e cabe a nós viver da melhor forma possível até lá e todo dia se perguntar “o que eu posso aprender com tudo isso que estamos vivendo, tanto em casa quanto no mundo”. Vamos sair disso melhor do que entramos, se buscarmos nos conscientizar.

Tenho postado diariamente nos stories do Instagram dicas práticas de gestão do tempo e produtividade para esse tempo de isolamento social e vou fazer mais posts por aqui também para contribuir para que essa fase tenha um melhor proveito e traga ensinamentos de produtividade pra você também. É a minha forma de contribuir nesse momento de que a união e a empatia são a cura do mundo.

Compartilhe nos comentários o que você tem feito para se organizar em casa nesse período, com certeza irá servir de inspiração para alguém.

Minhas impressões sobre o Planner Escolha sua Vida

Em Dezembro participei de um evento ao vivo da Coach Paula Abreu, sobre performance, lifestyle e propósito, o Lifestyle Academy.

Vou a esse evento com certa frequência, pois gosto muito, muito mesmo, da metodologia dela e de tirar um tempo para avaliar o ano que está acabando e me conectar com o que estou desejando/planejando ser no próximo ano.

Capa do meu planner

Para minha grata surpresa, esse ano na banquinha de souvenirs tinha um planner exclusivo do Escolha sua Vida. Eu, que nem sou louca por planners 🤗, fiz a dancinha do sambarilove (referência anos 90, temos 🙈) e comprei.
Mas não foi por eu não conseguir resistir a um planner (tá bom, foi por isso também 🙈) mas foi por ele ter uma proposta que não tinha visto em nenhum planner antes. Espaços para reflexão da manhã e da noite, e uma página para reflexão da semana. Em um momento que eu já estava muito reflexiva ele veio como uma ferramenta perfeita para eu colocar minhas rotinas da manhã e da noite nos eixos.

Acabou que por conta da correria de final de ano e a viagem de férias só comecei a usá-lo em janeiro e venho usando quase todos os dias desde então, não tenho usado no fim de semana.
E agora depois de um tempo usando quero compartilhar com vocês as MINHAS impressões. De acordo com a minha realidade de vida, minha rotina diária, e tudo mais que envolve o meu dia-a-dia.

Página diária do planner

Ele é permanente, ou seja, você pode começar a qualquer momento do ano, e achei isso ótimo! Ele tem uma visão diária, com uma área com algumas perguntas para a reflexão de manhã e outras perguntas para a reflexão da noite. O que pra mim foi um ponto negativo, pois para o meu dia-a-dia não funciona mais uma agenda diária.
Ele tem também espaço para reflexão da semana que acabou e de intenção para a semana que vai começar, que eu amei muito, muito, muito. E tem ainda um espaço para avaliação do mês.
Outro ponto negativo é o fato dele não ter páginas suficientes para usarmos o ano todo e já estou super viciada dele 😬😬.

Escolhi dedicar ele para uma área específica da minha vida, o autoconhecimento e conexão com a essência. Que foi uma das minhas prioridades do ano definidas durante o evento. E assim venho usando as reflexões e dedicado o espaço para as ações diárias para essa área da minha vida e tem funcionado bem.

Mesmo sendo mais um planner na minha rotina (já falei aqui como me organizo). Tem sido muito bom para que eu me comprometa a olhar para essa área diariamente. E também de muito aprendizado, pois nem todos os dias consigo ter clareza de como irei me energizar ou do que aprendi no dia. E isso me leva a refletir e perceber os motivos pelos foi mais desafiador ter tal resposta em determinado dia.

É uma ferramenta muito boa e recomendo bastante o uso, só que antes quero ser muito honesta com você e ressaltar que PARA MIM esse é um planner para quem já está comprometida em planejar sua rotina e investir no seu autoconhecimento. Não é uma ferramenta para quem está começando a se organizar ou quer ter a primeira experiência com um planner ou ainda quer usar esse planner para organizar todas as áreas da sua vida.

Mas como disse recomendo muito o planner. E fica a sugestão pra que a Paula Abreu pense em uma versão encadernada com páginas para o ano todo.

E para quem se interessou pelo planner, não sei se ele já está a venda, pois como disse comprei no evento e era lançamento. Mas procurem por ele, ou mais informações, no site do Escolha Sua Vida.

E fica aqui a minha dica (ou seria apelo? 🤗) pra que a Paula faça uma versão encadernada com páginas pro ano todo.

E a década está acabando. Como foi pra você?

Dezembro já é um mês que nos remete a fechamento de ciclo, afinal um ano inteiro está terminando. E dezembro de 2019 vem com um plus maior, pois encerra uma década.

Quanta coisa acontece em uma década em que – como temos a tendência a ser imediatistas – nem nos damos conta. É uma jornada inteira. Um período em que muito amadurecimento e transformações acontecem em nossa vida.

Já parou pra pensar quanta coisa aconteceu na sua vida nesse período?

Meu convite hoje é para que você dedique um tempo pra anotar tudo de bom e de aprendizado que teve nessa década.
Escreva em um papel tudo que considera importante que aconteceu ou as mudanças que houveram internamente com você e reflita sobre como quer que a próxima década seja.

Vou fazer um outro post contando a minha reflexão.

Mas já sei que quero ser ainda mais realizadora na próxima década e você? O que quer ser nos próximos 10 anos? Me conte nos comentários.

Como você vê a sua vida daqui a um ano?

Tirei esse card da imagem outro dia (até postei lá nos stories do Instagram, se não me segue ainda vá lá @bloglivre_e_organizada) e a do título era uma das perguntas nele e me trouxe muitas reflexões e quero dividir aqui com você sobre essa pergunta: Como você vê a sua vida daqui a um ano?

No primeiro momento que vi pensei logo na coincidência de tirar essas perguntas justamente quando estamos entrando no mês de novembro, rumo ao final de mais um ano.

Mas depois me dei conta que essa é uma pergunta que nos impacta em qualquer época do ano, não é mesmo?
Claro que final do ano nos damos conta que não realizamos tudo que imaginávamos – ou que realizamos muito mais – e os questionamentos e reflexões aumentam assim como a vontade de dar um último gás pra alcançar aquelas metas que só dependem de um esforço extra. Mas ainda assim percebo o quanto pode ser desafiador responder essa pergunta em qualquer momento do ano.

Muitas vezes sonhamos com o que queremos mas não planejamos e com isso as coisas acabam sendo esquecidas pelo caminho, ou são engolidas por outras necessidade. E essa pergunta nos traz um misto de: coisas que já sonhei e se perderam, com coisas que ainda não temos total clareza se queremos e como queremos.
Ou ainda vira uma grande interrogação 🙊🙊

Card do box Detox Mental

E, pra mim, isso se dá pelo motivo de só pensarmos no futuro na virada do ano, ou quando surge uma pergunta dessa, em vez de ser um hábito planejar os próximos passos, e refletir sobre o que queremos da vida.

Quando cultivamos o hábito de pensar a frente e identificar quais são os nossos objetivos com frequência fica cada vez mais fácil e natural e perde o peso.

Não estou aqui dizendo que temos de viver em função das metas e nos deixar aprisionar por isso. Mas sim quero trazer a reflexão de que se for um hábito pensar em o que queremos, e principalmente, quem queremos ser para o futuro, será mais simples e mais leve se deparar com essa pergunta pelo caminho. Até pra dizer que , “no momento não sei, estou reavaliando ou repensando”.

Agora, me conta com nos comentários como é pra você pensar em como estará a sua vida daqui a um ano. Você tem planos a curto, médio e longo prazo? Sabe quem você quer ser ou só o que quer ter? Qual o peso que essa pergunta te traz?

Mais um mês de dezembro chegou

E aqui estamos em mais um mês de dezembro, o novo ano batendo na porta e 2018 dando aquele tchauzinho maroto rs.

Qual o sentimento que dezembro te traz? de felicidade por tudo que conquistou ou de frustração por não ter dado tempo de fazer tudo que desejava?

Se você está feliz ótimo e se está frustrado ótimo também, por que ainda dá tempo de ir além do lugar em que está hoje (mesmo quem está satisfeito pode ir além).
Independente de qual seja o seu sentimento, o fato é que o ano sempre terá 12 meses e criamos expectativas maiores do que damos conta de realizar e além disso deixamos sonhos serem engolidos pela rotina e “correria” do dia-a-dia. Já falamos aqui sobre a diferença entre lista de desejos e planos de ano novo, lembra?

Mesmo 2018 estando se despedindo ainda temos quase 30 dias pela frente para dar um gás naquele objetivo, naquela meta, para alcançar ou ao menos dar início a alguma etapa para a realização.

Meu convite hoje é para você parar tudo e tirar 30 minutos (só 30 mesmo!) para avaliar seus planos para 2018 e ver o que ainda dá para realizar esse mês e partir pra ação.

Sem desculpas ou argumentos de que não dá mais, que isso ou aquilo, simplesmente escreva aí o que você pode fazer nessas semanas para cada meta/desejo que ainda está pendente e escolha uma ou duas ações possíveis para fazer antes de 30 de dezembro. Pode ser começar aquele curso que tanto quer, começar a ler aquele livro, iniciar uma nova atividade, começar a pesquisar para aquela viagem, o que for.

Te garanto que você vai terminar 2018 com muito mais ânimo e já vai começar 2019 no ritmo para realizar todos os seus objetivos. Ah! 2019 é assunto pra ooooutro post 😉.

Aproveita e me conta nos comentários como foi 2018 pra você. Conseguiu se organizar e realizar mais ou está no processo?

O ano está passando muito rápido ou nós estamos deixando ele passar?

Estava conversando com alguém e no meio da conversa surgiu aquela constatação clássica, de que daqui a pouco já é Natal.

Já reparou que sempre falamos isso espantados e em seguida vem a frase “o ano voou”? E daí vem a minha pergunta do título desse post, pois me gerou uma reflexão que eu fiz um dia desses e quero compartilhar com você.

Partindo do princípio de que continuamos com a mesma quantidade de minutos, horas, dias e meses como podemos mesmo afirmar que o ano está passando mais rápido ou voando? por que temos essa sensação de que não vemos o tempo passar? Já pensou sobre isso? Se sim, me conta nos comentários a que conclusão chegou.

O último quadrimestre do ano iniciou e parece que ele começou semana passada.
Parece mesmo? ou somos nós que ficamos protelando, a realização das ações para alcançar os objetivos por que “tem tempo” e agora nos damos conta que o ano não fica esperando sairmos da inércia?

O tempo continua correndo e a vida acontecendo quer estejamos desfrutando deles ou não. E o uso que faremos do tempo é totalmente escolha nossa.

Eu mesmo comecei a escrever esse texto no dia 04 e só hoje terminei, pois outras ações do dia-a-dia se sobrepuseram.

E percebo que isso é o que acontece com a maioria das pessoas, fazemos tantas coisas que passamos a maior parte do tempo indo de uma tarefa para outra que, se não nos policiarmos, não vemos o dia passar. E muitas vezes somos movidos pelas demandas e nem avaliamos se aquela atividade ou projeto está de acordo com os objetivos e planos traçados lá no início do ano.

Aproveite esse último quadrimestre de 2018 para assumir as rédeas do seu tempo e dos seus planos. Faça uma análise do que planejou para realizar esse ano, avalie se ainda fazem sentido pra você e se estão de acordo com os seus objetivos e se são possíveis de realizar ainda esse ano. Defina as prioridades e dedique tempo para o lazer. Viva esse restinho de 2018, pois ainda temos muito ano pela frente.

Escolha com consciência como quer lembrar de 2018. Quer lembrar como um ano que simplesmente passou e você nem viu ou quer que seja um ano que foi especial e que colecionou bons momentos e resultados?

Estou de volta por aqui, e por todos os canais do blog, trazendo muitas novidades, pois quero lembrar de 2018 como o ano em que contribui para que você tivesse um ano único e inesquecível com os resultados que deseja.

Vamos lá?

O que o Whole 30 me ensinou sobre planejamento e organização

Início de ano sempre dou uma priorizada na minha saúde física, um pouco pela energia de renovação do novo ano e bastante pela culpa dos exageros do final do ano rsrs.

Esse ano escolhi começar fazendo o Whole 30 – um programa de mudança na relação com a comida americano que se popularizou por aqui graças ao pessoal do crossfit – e depois voltar a fazer academia.

O Whole é diferente de uma dieta comum, pois tem um tempo determinado (30 dias) e restringe a gama de alimentos que consumimos aos naturais – frutas, legumes, verduras, proteínas e castanhas – falando de forma muito resumida, e depois nos leva a experimentar os grupos alimentares isoladamente e assim conseguimos perceber os efeitos de cada um em nosso organismo.

E então, além do desafio de me alimentar de uma forma totalmente nova e sem alguns alimentos muito presentes na minha alimentação até então, me vi diante de um outro grande desafio: planejar TODAS as minhas refeições.

No programa os grupos alimentares permitidos devem estar presente em todas as refeições e me vi tendo de pensar com antecedência em todas as refeições do dia seguinte, da semana toda. Algo novo para mim atualmente, já que levo almoço para o trabalho e é minha mãe quem cozinha. Até então era só colocar na marmita o que ela tivesse feito, agora precisava dizer a ela o que eu ía querer levar nos próximos 02, 03 dias.

Precisei também avaliar e planejar as refeições que levaria de manhã de acordo com a minha rotina (que é não ter rotina rsrs) já que a possibilidade de flexibilidade para comer na rua ou onde eu fosse era bem limitada. Então, se fosse voltar pra casa tarde da noite precisava levar todas as refeições do dia comigo. Sempre avaliando a variedade para não correr o risco de gerar deficiência de alguma vitamina ou nutriente durante o programa. Ou seja, eram muitas variáveis envolvidas.

Aprendi muito nesses 30 dias, sobre mim, sobre padrões de comportamento, sobre alimentação, sobre organização e sobre planejamento. E é sobre esses dois últimos que quero dividir com vocês hoje.

Depois posso fazer um outro texto com outros detalhes, se quiser saber mais me fala nos comentários 😉

minha perda de peso no programa (para te inspirar)

Planejamento

Como disse, me deparei com a necessidade de planejar essa área de uma forma que nunca tinha feito antes. E olha que já fiz dieta com acompanhamento de nutricionista quando morava sozinha.

E agora pude perceber o quão importante é planejar as nossas refeições, independente de estar em uma dieta ou não, e é algo que raramente fazemos. E venho refletindo como muito do excesso de peso vem disso, de não ter um plano para nos alimentar e simplesmente comemos o que tiver ou aparecer e aí.

E não estou falando aqui só das compras de supermercado ou de pensar o que e quando vai cozinhar não, mesmo reconhecendo que isso é parte fundamental de um bom planejamento. E era o que eu achava suficiente quando fazia dieta.

O que aprendi me mostrou além, estou falando de pensar que tipos de alimentos irão compor cada uma de suas refeições – frutas, proteínas, fibras, gorduras boas e etc -, que os alimentos escolhidos garantam os nutrientes e vitaminas necessários ao fim do dia, que a composição das refeições não pode ter uma quantidade de calorias exagerada, que precisa conhecer os grupos alimentares e os efeitos para compor as refeições, que tem de saber a combinação que irá propiciar o melhor aproveitamento dos nutrientes, de saber o que vai precisar cozinhar e em que dias isso será necessário – ou que você terá tempo para isso -, de saber os dias em que precisará levar refeições e lanches com você pois vai estar em locais que não terá opções saudáveis, de avaliar mesmo sua agenda e tarefas para cruzar e adequar os horários de suas refeições, enfim estou falando de dedicar tempo e atenção para a alimentação. E assim ter certeza que estará fazendo as melhores escolhas para nutrir o seu corpo e não só atendendo o seu emocional ou só comendo por que precisa.

Sabe a história do “não tenho tempo”? Precisamos mudar isso na nossa alimentação, estamos nos deixando levar em uma roda viva que está nos prejudicando muito mais do que ajudando.

Você pode escolher não cozinhar em casa e se alimentar na rua ou pode escolher intercalar ou qualquer outra possibilidade, o que não pode é abrir mão de cuidar do tipo de combustível que está colocando no seu corpo e só conseguirá isso tendo clareza do que precisa e deve comer com antecedência, com consciência, sem se deixar levar pela aparência ou cheiro. Então planeje sua alimentação todos os dias, se sabe que marcou de jantar fora e que vai extrapolar já planeje as outras refeições do dia para que o jantar tenha menos impacto no seu organismo.

Organização

Na minha visão a vida precisa de um sistema de organização para acontecer de modo mais fácil e nesse caso não foi diferente. Um planejamento precisa ser bem executado e pra isso precisamos nos organizar.

Se não de nada adianta todo o planejamento, será só perda de tempo.

Com o Whole aprendi o quão é fundamental ter um mínimo de organização com a alimentação. Eu contei muito com a ajuda da minha mãe no preparo e até nas compras dos alimentos e mesmo assim tive de separar tempo para ir ao sacolão aos sábados, para ir comprar as castanhas, para montar meus muitos potinhos toda noite – com consciência do que havia planejado – e organizar os horários das refeições de acordo com as atividades do dia para não ficar horas demais sem comer, me organizar para levar comida e frutas inclusive para os eventos.

Em vez de chegar em casa e manter o automático de comer algo doce por que estava cansada e ir dormir passar a dedicar uns minutos para preparar uma salada pra levar pro trabalho no dia seguinte ou cozinhar os ovos para o café de manhã, me mostrou que quando queremos e nos organizamos, conseguimos tempo pra tudo que colocamos como prioridade. E afinal, o que pode ser mais prioridade do que cuidar da nossa saúde e do nosso corpo? Então, te convido a saber o que irá comer na sua próxima refeição e onde será feita em vez de passar no primeiro fast-food que aparecer. Te convido a saber na noite anterior (ou duas noites antes) o que irá comer no café da manhã para te nutrir, em vez de comer um monte de biscoitos/pães/ torradas por que já tinha comprado e não estraga. Tire um tempo para elaborar ou separar seus alimentos, você verá que é muito menos tempo do que imagina e os efeitos serão surpreendente.

Agora estou na fase de reintrodução dos alimentos, que haviam sido restringidos nos 30 dias, que ainda faz parte do Whole. No programa você inclui um grupo alimentar em um dia e passa dois dias no Whole antes de experimentar outro grupo.

O que vem exigindo mais planejamento dos dias de experimentar cada grupo na rotina, pois nunca se sabe os efeitos que sentirá, e mais uma vez planejamento e organização estão presentes e serão vitais para o alcance dos objetivos de conhecer os efeitos dos alimentos no meu organismo e metabolismo.

Depois conto os aprendizados dessa fase 😉