Por onde começar a se organizar

Outro dia fiz uma live no Instagram sobre esse tema e resolvi compartilhar também por aqui, pois sei que é uma pergunta que todos se fazem em algum momento.
Normalmente, quando entendemos que precisamos mudar algo em nossa vida nos enchemos de coragem e otimismo e achamos que iremos mudar tudo de uma vez e que será super fácil e rápido. Só que a verdade é que não é assim que as coisas funcionam, – afinal nada sustentável a longo prazo acontece da noite pro dia, não é mesmo? – e por não acontecer acabamos desistindo ao se deparar no primeiro obstáculo.

Antes de mais nada quero te dizer duas coisas:
Primeiro – sim, a vida não é um conto de fadas em que o toque de uma varinha vai mudar tudo e cabe a você – ciente disso – permanecer firme na sua decisão apesar dos obstáculos e isso ninguém pode fazer por você.
Segundo – eu escolhi dedicar a minha vida a ajudar as pessoas a colherem os frutos que a organização nos traz e faço essa escolha todos os dias de novo e de novo. Então conte sempre comigo na sua jornada da organização, seja nos conteúdos gratuitos ou nos serviços pagos estarei pronta a segurar a sua mão para te dizer para continuar que vai valer a pena.

Dito isso, bora para as dicas 😉

Antes de mais nada, entenda que a sua situação atual não surgiu na semana passada ou no mês passado, ela vem se acumulando e você precisa entender de onde e por que ela aconteceu. Depois de entender isso, comece fazendo uma análise minuciosa do seu estado atual – avalie onde a desorganização mais te afeta, que resultados não está conseguindo alcançar, em que área a desorganização é maior e principalmente como se sente em relação a tudo isso e como você gostaria de estar hoje e como quer estar no futuro próximo.

Liste todos os seus papéis. Temos muitos papéis na vida e muitas vezes não nos damos conta nem que alguns existem que dirá de qual é a relevância e importância que eles tem em nossa vida. Então faça esse exercício: pense em todos os seus papéis – filha, irmã, mãe, profissional, estudante, dona de casa, empreendedora, tia, madrinha, afilhada, amiga, etc, etc. – faça uma lista e avalie a importância/relevância de cada um deles e o quanto eles te demandam de tempo, energia, presença e o quanto você gostaria de dedicar.

Tenha clareza das suas prioridades. Avalie os “o que”, os “quem” e os objetivos que são prioridades na sua vida hoje. Entenda exatamente o que é mais importante na sua vida pessoal, profissional, familiar, etc., pois só assim conseguirá entender quais são as prioridades, pois são elas que te direcionam nos momentos de escolhas e definição das atividades.

Depois de observar tudo isso e entender seu momento atual escolha uma área para começar. Sim, é isso mesmo que você leu, escolha por qual área da sua vida vai começar a sua organização, pois já vai demandar bastante da sua atenção. Escolha a que irá gerar mais impacto na sua vida e na sua saúde mental ou a área que não dá mais para adiar. E escolha uma ou duas (não mais que isso) ferramentas para te auxiliarem nesse processo podem ser agenda, caderno de tarefa, aplicativo, bloco de to do list, etc.

E só depois de tudo isso defina como será a sua organização inicial: que ações irá tomar, que uso vai destinar a cada ferramenta, que rotinas vai adotar ou alterar e tudo mais que te irá te ajudar a decidir por se manter organizada no dia-a-dia de acordo com a sua realidade mas mantendo o foco na realidade que quer ter no curto prazo.

Minha principal dica vai agora: comprometa-se com o processo! Como eu disse lá no início, nenhuma transformação acontece da noite pro dia e precisa de tempo e dedicação. Lembre-se que você está indo contra a maré dos seus comportamentos habituais e vai precisar sair do automático. E isso irá exigir esforço, presença e comprometimento no início. Mas permaneça seguindo o plano que logo logo começará a ver os primeiros resultados e isso ter motivará a seguir em frente.

E lembre-se que a vida vai acontecer apesar dos seus planos e quando as coisas complicarem se acolha, saiba que é normal isso acontecer e volte ao plano o quanto antes.

Agora, me conte nos comentários por qual área você irá começar a se organizar.

Um grande abraço,

Gheyza Oliveira

A paz que a organização me traz

Estou sempre dizendo que a organização nos traz inúmeros benefícios, que facilita a vida e que só nos ajuda a ter mais tempo livre.  E ouço muito que é cansativo se organizar, que dá trabalho e que é difícil de manter.

Mas a verdade é que a organização não nos engessa, o que ela de fato faz é nos libertar.

Nos libertar de sustos e, até de situações complicadas, por conta de imprevistos, por conta de esquecimentos,  por conta de falta de planejamento, por conta de inúmeros fatores que faz com que nossa memória nos falte em momentos cruciais. Nos libertar de se pega de surpresa, em cima da hora, com um compromisso que foi esquecido. 

Quantas vezes já teve aquela acelerada no coração quando te perguntaram sobre o andamento de um projeto ou uma conta que deveria ter sido paga?

Quando você tem um sistema de organização,  sabe que está registrado quando deve pagar a conta ou quando fazer o acompanhamento de uma atividade ou o dia dos seus compromissos

É essa tranquilidade que a organização me traz.

Não significa que não terei imprevistos ou nunca esquecerei nada, mas significa que isso acontecerá mais raramente. Afinal, a graça da vida é que coisas novas acontecem e nos desafiam a ser melhores todos os dias e estar com a mente liberada de outras demandas rotineiras torna tudo mais tranquilo.

A paz que a organização me traz, o alívio de saber que o que é previsível está sob controle não tem como comparar (ou querer trocar) com o estresse que a “liberdade” pode trazer. Afinal, me sinto muito mais livre quando as coisas estão sob controle.

E é essa paz que desejo pra você, todos os dias.

Nossa vida é definida por nossas escolhas e prioridades

A cada momento da vida escolhemos dar prioridade para algo ou alguma área da nossa vida. E essas escolhas são o que dão o tom do rumo que a nossa vida segue.
Hoje eu quero chamar a sua atenção para essa questão, pois muitas vezes não fazemos essas escolhas de forma consciente, simplesmente somos levados por alguma circunstância, acontecimento ou até mesmo escolhas de outras pessoas.

Época de faculdade, nascimento de um filho, emprego novo ou carreira nova, início ou fim de um relacionamento e outros marcos são claramente momentos em que escolhemos dar prioridade e fica mais fácil perceber que essa escolha está sendo feita.
Mas existem muitos outros momentos em nossa vida que exigem uma escolha e priorização e que o fazemos sem nos dar conta disso.
Na verdade a todo momento estamos dizendo sim pra algo e não pra outro algo e é isso que nos define. Mas o grande ponto é que são escolhas, e devem ser escolhas conscientes, pois isso direciona nossas vidas e interfere diretamente nos resultados que teremos no futuro.
Uma vez assisti uma entrevista com uma dermatologista e ela disse que as manchas que nos queixamos aos 40, 50 anos foram feitas na nossa pele por conta de pegarmos sol sem protetor solar quando tínhamos 20 anos.
Já se pegou pensando em como foi que você parou em determinada situação ou condição? Eu às vezes me questiono sobre isso. Provavelmente foi por conta de uma escolha feita no passado e muito provavelmente de forma desapercebida.

Tenha clareza dos seus objetivos de curto e longo prazo para que ao realizar suas escolhas – grandes ou pequenas – seja de forma consciente (e para isso você precisa estar presente no seu dia-a-dia, falaremos mais sobre isso em outro post) tenha certeza que está priorizando o que é importante pra você e que irá te levar para onde de fato deseja estar.
Observe os motivos que estão te levando a dizer sim pra isso e não pra outra coisa. É mesmo por você? está sendo pautada pelos objetivos/expectativas de outra pessoa? É o melhor a ser feito para o seu momento de vida? Que reflexos isso terá no seu futuro? Irá te levar para mais perto dos seus objetivos? É uma situação provisória ou definitiva? Se não acontecer como você imagina dá pra reverter?
Esteja presente e faça suas escolhas de forma consciente. E nesse momento em que essa epidemia nos convida a nos recolher e olhar pra dentro. Aproveite essa oportunidade para refletir e avaliar as suas escolhas e seus planos para o futuro.

O ano está passando muito rápido ou nós estamos deixando ele passar?

Estava conversando com alguém e no meio da conversa surgiu aquela constatação clássica, de que daqui a pouco já é Natal.

Já reparou que sempre falamos isso espantados e em seguida vem a frase “o ano voou”? E daí vem a minha pergunta do título desse post, pois me gerou uma reflexão que eu fiz um dia desses e quero compartilhar com você.

Partindo do princípio de que continuamos com a mesma quantidade de minutos, horas, dias e meses como podemos mesmo afirmar que o ano está passando mais rápido ou voando? por que temos essa sensação de que não vemos o tempo passar? Já pensou sobre isso? Se sim, me conta nos comentários a que conclusão chegou.

O último quadrimestre do ano iniciou e parece que ele começou semana passada.
Parece mesmo? ou somos nós que ficamos protelando, a realização das ações para alcançar os objetivos por que “tem tempo” e agora nos damos conta que o ano não fica esperando sairmos da inércia?

O tempo continua correndo e a vida acontecendo quer estejamos desfrutando deles ou não. E o uso que faremos do tempo é totalmente escolha nossa.

Eu mesmo comecei a escrever esse texto no dia 04 e só hoje terminei, pois outras ações do dia-a-dia se sobrepuseram.

E percebo que isso é o que acontece com a maioria das pessoas, fazemos tantas coisas que passamos a maior parte do tempo indo de uma tarefa para outra que, se não nos policiarmos, não vemos o dia passar. E muitas vezes somos movidos pelas demandas e nem avaliamos se aquela atividade ou projeto está de acordo com os objetivos e planos traçados lá no início do ano.

Aproveite esse último quadrimestre de 2018 para assumir as rédeas do seu tempo e dos seus planos. Faça uma análise do que planejou para realizar esse ano, avalie se ainda fazem sentido pra você e se estão de acordo com os seus objetivos e se são possíveis de realizar ainda esse ano. Defina as prioridades e dedique tempo para o lazer. Viva esse restinho de 2018, pois ainda temos muito ano pela frente.

Escolha com consciência como quer lembrar de 2018. Quer lembrar como um ano que simplesmente passou e você nem viu ou quer que seja um ano que foi especial e que colecionou bons momentos e resultados?

Estou de volta por aqui, e por todos os canais do blog, trazendo muitas novidades, pois quero lembrar de 2018 como o ano em que contribui para que você tivesse um ano único e inesquecível com os resultados que deseja.

Vamos lá?

Nota

Agenda semanal – o que é e como usar

image

Semana começando e um novo mês vindo aí. Achei um bom dia para falar sobre uma ferramenta pra ajudar no dia-a-dia.

Agenda semanal, planificador semanal, planejador semanal, diversos nomes são usados para essa ferramenta, ela é caracterizada por uma semana ocupar uma ou duas páginas de papel.
Eu chamo de agenda semanal, mesmo usando para mais do que só compromissos.

Esse modelo, como o nome já diz, permite que você tenha uma visão de toda sua semana e consiga se organizar melhor.

A proposta é que você coloque as suas tarefas, e/ou compromissos,  nos dias da semana e com isso consiga distribuir melhor as atividades. Ao mesmo tempo em que percebe se está com atividades demais ou com tempo livre e poder remanejar.

E ainda garantindo que não irá esquecer de fazer algo por que virou a página da agenda.

Sabe aquela coisa de marcar dois compromissos pro mesmo dia e horário? Ou lembrar na sexta que tinha de ter pago uma conta na terça?? NUNCA MAIS! kkkkkk

image

Essa na foto acima é a minha, que fica na mesa do trabalho. Uso uma simbologia de circular o horário quando é compromisso para destacar das atividades, que também anoto nela. Toda sexta tiro uma hora para planejar as atividades da semana seguinte, com o objetivo de distribuir as minhas ações ao longo da semana.

Agora,  tenha clareza de que ela não se preenche sozinha. Você tem de se comprometer em anotar tudo lá, inclusive o que surgir ao longo da semana.

E para ser eficaz, precisa ter consciência dos seus planos e objetivos para saber o que precisa fazer. E lembre-se sempre de  avaliar o que é importante e prioridade na hora de anotar.

Uma dica legal é você avaliar o seu horário de pico de produção – aquelas horas do dia que você rende mais – e alocar as atividades prioritárias nesses horários. 

E aí?  O que achou da agenda semanal? Me diz nos comentários se adotaria ou não 😉

Um abraço,
Gheyza Oliveira